top of page

Um sonho que se tornou mais que realidade



Meu nome é Milagros, digo que de outubro a dezembro de 2018, tive a grande oportunidade de viver uma experiência que jamais esquecerei, no México, graças ao Projeto Milonga. Os dois meses que estive em Mariápolis el Diamante e naquela pequena cidade de Puebla, no México, foram fantásticos, me encheram de luz, alegria, amizades e sobretudo aprendizado.


Se penso nisso, desde quando comecei a sonhar com esta viagem, a verdade é que não sei a resposta. Sempre sonhei em poder ajudar outras pessoas em outras partes do mundo e talvez tenha sido isso que me fez pensar em tornar isso possível.


Um dia, decidi, tinha que ir a algum lugar do mundo para viver essa experiência, realizar esse serviço, colocar em prática tudo o que aprendi durante minha vida e colocá-lo a serviço dos outros. E assim o México apareceu como um destino possível e marcante por sua cultura, história, lugares, seu povo, suas paisagens e seus problemas. Foi assim que o projecto Milonga começou a ser aquele que me ia permitir concretizar aquele sonho.







Quando decidi fazer esta viagem, fiquei incrivelmente assustado. Já tinha viajado antes, já tinha feito voluntariado, mas sempre da minha família escoteira. Pensar em fazer um trabalho voluntário que não fosse com eles me aterrorizava, pois era algo totalmente desconhecido.


Um dia antes de chegar à Mariápolis El Diamante, tive a bênção e a oportunidade de visitar um lugar mágico, um lugar que sempre sonhei conhecer, um lugar que significou muito para mim e minha família, a Basílica de Guadalupe. Ofereci tudo à Virgem de Guadalupe e a Deus, e pedi de todo o coração que me acompanhassem nesta nova experiência e aventura que começaria a viver.



Comecei minha jornada para Puebla, para Acatzingo, minha casa por alguns meses, cheia de magia e encanto. Quando cheguei, meus medos e incertezas me invadiram, mas as pessoas que me receberam, entre elas, Lisa minha companheira, minha amiga para sempre, foram tão gentis que me levaram para o nosso apartamento; era tão bom, tão confortável, tão limpo que imediatamente me senti em casa.

No dia seguinte comecei a fazer voluntariado no Colégio Santa María, lugar onde trabalharia e colocaria em prática todo o meu esforço e conhecimento.


Quando cheguei, quero enfatizar que fiquei impressionado, esperava uma escola um pouco mais vulnerável, mas era um prédio grande e bonito, cheio de flores, espaços verdes, aulas, alunos e professores. Admito que me pergunto, e aqui em que posso ajudar?

O Colégio Santa María é um lugar muito especial, reúne crianças, professores e professores de diferentes classes sociais, uns com mais e outros com menos necessidades materiais, uns com mais e outros com menos necessidades emocionais. A cada dia que passava eu ​​percebia que havia necessidades e que eu poderia ajudar.


Comecei como professora assistente na pré-escola; Não vou mentir para você, foi um grande desafio, foi uma tarefa difícil. Mas eu adorava, as crianças eram tão especiais, porque constantemente me mostravam seu amor, estavam sempre lá para me fazer sorrir. Eu realmente me senti útil.


Parte do meu trabalho como voluntária foi também colocar minha profissão, Serviço Social, a serviço da escola. Trabalhei durante o tempo em que estive lá, fazendo entrevistas e visitas nos bairros, junto com profissionais maravilhosos e comprometidos, responsáveis ​​pelo programa de apadrinhamento remoto.


Uma das coisas que mais gostei é que, junto com outra menina que também morava em Mariápolis, pudemos dar uma palestra sobre “direitos das crianças” para pais e mães. Esta foi uma ótima experiência, porque apesar de sermos de países diferentes, ver como as pessoas agradeceram sua ajuda foi muito gratificante.


Durante o tempo em que estive trabalhando e visitando os bairros, observei que a situação em Actipan e Acatzingo de Hidalgo foi afetada por situações sociais de alta complexidade, como tráfico de drogas, prostituição, sequestros, mortes constantes e grande pobreza.


Nessas cidades, as crianças vivem e crescem cercadas de grande desigualdade, mortes constantes, maus-tratos e machismo, e são situações que não podemos permitir como sociedade. Teríamos que ser milhares de pessoas trabalhando para que isso não continue acontecendo.

Essa experiência realmente me encheu de graça, alegria, satisfação e amor. A verdade é que hoje enquanto escrevo isto, tenho consciência de que Deus preparou isto para mim, apesar das dificuldades e da distância com o meu povo, fui muito feliz nessa viagem, hoje sou uma pessoa diferente e sinto-me melhor. O regresso ao meu país foi muito difícil, sobretudo pelas pessoas que conheci e que levarei para sempre no coração, e porque penso que poderia ter feito muito mais.

Sou extremamente grato pela oportunidade que o Projeto Milonga me deu e espero continuar trabalhando para alcançar coisas melhores e poder ajudar a garantir que o futuro dessas pessoas seja cheio de oportunidades para melhorar e progredir.

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page