top of page

Um mundo de terra vermelha para desfrutar e compartilhar

Atualizado: 20 de out. de 2022


Meu nome é Martina, tenho 36 anos e acabei de voltar para a Itália depois de uma experiência de quase dois meses de voluntariado no Paraguai, admito que fui procurar no mapa exatamente onde estava.


Para mim, decidir ser voluntária foi como ouvir um chamado, um desejo que eu tinha há muito tempo e que consegui tornar real.

Quando você tem Amor no coração, acredito que é sempre bom saber dar.

Vivi quase dois meses num mundo de terra vermelha, pequenina e feita de nada, onde se esconde um mundo infinito feito de tudo.




Senti um calor humano incrível, era como se sentir parte de uma grande família e fazer parte dela há muito tempo.


Jamais esquecerei a doçura do abraço de Katy, a jovem que me acolheu, no dia em que cheguei. Um abraço que me fez sentir imediatamente em casa, “mi casa es tu casa”, ela me disse!


Fui acolhida generosamente por um casal jovem do bairro, Katy e Miguel, com os quais imediatamente se desencadeou uma ligação profunda e livre. Ter convivido com eles, rodeado pelas famílias do Bairro, cerca 50 delas e com as crianças em um contexto real e difícil, fez toda a diferença.



Saí com uma mala de curiosidade, gentileza e com o coração aberto para criar uma troca do bem, sem nenhuma expectativa e retornei para casa com uma bagagem de vida.


Assim como uma pintora, que pinta um quadro à mão livre em uma tela completamente branca, com paleta e pincéis, dia após dia, fui dando forma à pintura onde as cores eram os olhares, os sorrisos, a generosidade, as dificuldades, a simplicidade, os abraços, o entusiasmo, o acolhimento, a dignidade, a gratidão, a pobreza, a singularidade e a maravilha das crianças e de todas as pessoas que conheci.




O projeto que tive a honra de fazer parte atua no contexto escolar.


A escola Unipar, no pequeno Bairro de San Miguel de Capiatà, é formada por cerca de 65 crianças de 4 a 7 anos, totalizando 4 turmas.


O nome da escola incorpora todo o seu valor e significado: Unipar, Unidad y Participação.


As atividades envolvem apoio escolar, fornecimento de pelo menos um lanche diário para fortalecer as habilidades cognitivas de cada criança e dedicação sem limites das professoras Nancy, Lety, Francisca, Gabriela e da Diretora Yamile (além de todos os outros voluntários, que fazem parte).


“Aprender Jugando” é o método que esta escola utiliza. Fiquei imediatamente fascinada por ele e por isso me empolguei e fiquei entusiasmada em criar minhas aulas.


Eu era a única italiana, a única voluntária, com dificuldades de linguagem (saí sabendo um punhado de palavras em espanhol), outra profissão na vida (agente de viagens), em um outro contexto, realidade, inconveniência, condições, costumes... um bom teste.


Eu era a "Profe Martina", a professora de ginástica e inglês.


Junto com o diretor da escola encontrei “espaço, forma e cor” no projeto.

Tudo aconteceu com extrema naturalidade, como estar em fluxo de estar lá totalmente.


Me senti à vontade, livre para me expressar 100%, para ser eu mesma. Todos os dias eu me dedicava a pensar e criar uma aula específica para a turma com base na idade, que fosse nova e estimulante para as crianças, traduzindo do italiano para o espanhol, sempre levando um caderno comigo e usando ideias e materiais que eu encontrava olhando ao redor.


Eles tinham a capacidade de me fazer sentir "eu" do outro lado do mundo e, talvez, fazer vir fora uma das minhas melhores versões.


Com os menores, criei aulas destinadas para estimular a curiosidade, a imaginação em todos os sentidos (olfato, tato, audição...)



bem como envolvê-los ativamente, com a melhor ginástica para coordenação, espírito de equipe, colaboração, cooperação combinada com aulas de inglês e geografia, pelo menos para que eles entendessem de onde eu vinha.


Quando as crianças me perguntavam:

... “Profe Martina quando vamos ter aula juntos? ”. “Profe Martina se você não tem seu caderno hoje, quer dizer que não faremos ginástica? ”. " Profe Martina você está sentada ao meu lado na aula? ”. “Profe Martina não tem lanche? Vou te dar um pedaço do meu! ”. “Profa Martina, obrigado por todo o amor que você nos deu! ”... me fizeram sentir viva.


>> Este artigo continuará. Aguarde para ler a segunda parte!

16 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page