top of page

Oferecer a vida para mudar o mundo



Quando as pessoas na Suíça me perguntam sobre minha experiência, muitas imagens sempre vêm à mente, especialmente muitos rostos; rostos que sorriem antes de criar os filhos, rostos que ficam sérios quando há algo para comer que você não gosta, rostos de sofrimento e apatia, mas principalmente rostos felizes, cheios de uma alegria tão plena que enche sua alma com um olhar; Quase faz você se perguntar: “quem ajuda quem? Quem está prestando um serviço a quem?”


Antes de partir para a Bolívia, estava convencido de que receberia muito mais do que poderia dar. Não na forma de recompensas materiais, mas de momentos que enchem a alma, que te marcam e que você pode levar consigo mesmo quando voltar para casa.


Durante a segunda semana, conversei com um amigo e lhe disse que estava muito feliz com o andamento do projeto “La Casa de los Niños”. Ele me perguntou se "feliz" era realmente a palavra certa; refletindo sobre essa questão, percebi que muitas vezes usamos a palavra "feliz" para descrever rapidamente um momento bonito, para dizer que estamos bem, que estamos com sorte, felizes. Mas estamos realmente felizes nesses momentos? Eu não sei. O que eu sei é que eu estava muito feliz naqueles dias, mas não no sentido de grandes risadas; Senti uma felicidade profunda, que tinha suas raízes na dor. Eu vi felicidade e sofrimento andando de mãos dadas.


Acho que você poderia escrever um livro sobre todas as pessoas que conheço, fazer um filme sobre a história de cada família que vive na cidadela. Eu sabia que certas coisas estavam acontecendo no mundo, histórias difíceis, de sofrimento, mas entrar em contato direto com essas pessoas me tocou não um pouco. Quando me refiro a situações dolorosas, quero dizer abuso, uso de drogas, crime, violência, doença, não saber alimentar uma família por falta de dinheiro. Porém, ao mesmo tempo, me vi imerso em um contexto muito alegre, onde a alegria se expressava nas pequenas coisas. Eu estava no meio de uma comunidade que me ensinou muitas coisas que são válidas para toda a minha vida.


Quando cheguei, os primeiros dias foram um pouco difíceis; Não entendia bem o sistema e o ritmo da realidade em que me encontrava. A certa altura, porém, percebi que muitas vezes a estrutura era melhor não tê-la, que o ritmo a marcava a cada novo dia. Meu trabalho consistia em ficar em casa, ajudar as crianças (quase todas com deficiência física e mental, então eu tinha que estar com elas 24 horas por dia), lavar a louça, cozinhar, participar das diversas atividades da casa, jogando, ...


Como não tínhamos um horário fixo, usávamos nosso tempo com total liberdade; foi uma das minhas primeiras experiências desse tipo, então senti que ninguém me obrigava a nada, que tudo dependia da minha iniciativa; para isso, até o fato de realizar tarefas de que não gostava adquiriu outro valor. Desde o início eu quis disponibilizar meu tempo para estar a serviço de "La Casa de los Niños", para fazer o que fosse necessário - mesmo que fosse algo pequeno, aquelas coisas que ninguém notava, mas que tinha que ser feito, aquelas coisas que foram difíceis para mim e que me fizeram pensar em desistir. Não sei se tive 100% de sucesso, mas tenho certeza que acordei todos os dias com o mesmo propósito e tentei até o último dia.


O melhor foi ouvir que meu 100% crescia a cada dia, sentia que podia dar cada vez mais. Por exemplo, lembro que nos primeiros dias não pude tomar café da manhã porque os cheiros e barulhos me incomodavam. Eu me sentia inadequada porque queria muito ajudar mas não podia, tinha uma barreira que não me permitia. Também houve dias em que fiquei doente por causa da comida, que era muito diferente, e senti que não podia dar tudo de mim. Estas são apenas algumas experiências, pequenos momentos em que senti que tinha que dar um passo a mais; e assim foi, dia após dia.


No final fiquei impressionado com a sensação de poder olhar além dos problemas e enfermidades dos que me cercam, de poder conhecer as pessoas em todos os seus aspectos. Mesmo que a pessoa à sua frente não possa falar, não puder se mover ou se comunicar com você, ela ainda é uma pessoa com suas preferências, seus sentimentos. Descobrir que uma criança adorava acariciar a cabeça, que sorria depois de um beijo na testa, saber que comida adorava comer... cada um desses detalhes formava uma estrela brilhante no céu da minha experiência. Mesmo que no início não sejam as coisas que você mais gosta de fazer - como alimentá-los, lavá-los, trocar fraldas - seria mentira se eu dissesse que não houve retorno da parte deles: eles agradeceram com um sorriso, apoiando cabeça em seu ombro, pegando sua mão.


Senti essa diferença fortemente mesmo quando, às sextas-feiras, íamos entregar comida aos sem-abrigo. Sim, eu queria ajudar, no entanto - mesmo que esse tipo de pobreza não seja comum na Suíça, havia algo incomum que me fascinava - eu não queria ficar parado e observar. Trouxe um pouco de comida, conversei com essas pessoas e finalmente fui embora. Eu não queria que eles se sentissem como atrações públicas em um zoológico. Observar com curiosidade não é ajudar, ver e depois refletir sobre o que precisa ser mudado é ajudar.


Todo este período de amadurecimento foi possível graças a todas as pessoas que me acompanharam durante a experiência. As pessoas que ali vivem todos os dias, aquelas que tornaram possível a minha viagem e que me apresentaram a um mundo tão diferente do meu; que me integraram na escola uma vez que expressei o desejo de ser útil, pessoas que me fizeram sentir em casa em meio ao que eu não conhecia.


Saí com sorrisos e lágrimas. Lágrimas porque gostaria de ter ficado mais tempo, porque nunca é fácil deixar um lugar que agora se tornou sua casa, e sorrio porque agora sei que tenho tanto para dar aos outros e que quero contar a todos sobre "La Casa de los Niños" . E cada vez mais quero oferecer minha vida para melhorar o mundo como eles fazem.

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page