top of page

Férias com amigos



É incrível como nossas preocupações podem ser absurdas quando, no caminho da vida, encontramos aqueles que lutam diante de realidades aleatórias e dramaticamente injustas. E seu testemunho de coragem e resiliência pode ser um presente inestimável para todos e também para a busca de sentido.


Pelo menos essa foi a nossa experiência ao final de três semanas na Sicília com jovens refugiados da África.

Somos Andy (26) e Charly (31) da Argentina. Depois de viajar e trabalhar por um tempo na Oceania, com a oportunidade de conhecer lugares e pessoas maravilhosas e também de nos conhecermos um pouco mais e de irmos a algo mais aprofundado com nós mesmos, ficamos muito agradecidos por sentimos o desejo de nos dar tempo para servir aqueles em situação de vulnerabilidade.


Por meio do programa de voluntariado internacional de Milonga, chegamos a um centro de refugiados em Petrosino, uma pequena cidade costeira no sul de Trapani.


A Casa dei Ragazzi é um segundo centro de acolhimento, onde não é dada atenção fundamental aos recém-chegados, mas propõe-se uma segunda instância para a promoção da pessoa. Lá nos encontramos com 5 caras da Gâmbia, todos entre 17 e 18. Como era julho, eles estavam de férias e aproveitando para trabalhar, embora nem todos em tempo integral.


Chegamos prontos para contribuir conforme a necessidade e com a imaginação de que seria uma tarefa extremamente cansativa, mas também sem saber em detalhes como funcionava o Centro ou qual seria nosso serviço concreto. Desde o primeiro momento, tanto os rapazes quanto a equipe nos fizeram sentir parte da família.


No entanto, nosso papel não estava totalmente claro na chegada. A falta de horários e atividades predeterminadas gerou alguma confusão e frustração nos primeiros dias, mas com o tempo começamos a entender qual poderia ser nossa melhor contribuição.


Entendemos que a chave para essa experiência compartilhada estava nos relacionamentos. Talvez nossa contribuição não tenha sido tanto em um nível tangível, mas na experiência de construir relações diferentes e profundas em que as diferenças culturais não fossem um obstáculo, mas um recurso precioso, uma oportunidade de aprender e enriquecer mutuamente. E assim enfrentamos o futuro.



Em seguida, fizemos caminhadas para várias pequenas cidades próximas; íamos à praia quase todos os dias; jogamos bola, golfe, pingue-pongue, cartas e até inventamos um jogo de treinamento para explorar vários temas que pareciam importantes para a equipe de trabalho, como a cultura italiana ou a educação em segurança viária.

Bebemos chá africano tão forte quanto bom. E os meninos provaram nosso Mate Sul Americano. Ensinaram-nos a cozinhar milho em potes com brasas e juntos fizemos as “Tortafritas”.



Fomos ouvir música e tomar um drink no bar da cidade. Eles nos falaram sobre a Gâmbia e nós sobre a Argentina. Por serem muçulmanos, também nos contaram do Alcorão e admiramos sua fidelidade e disciplina enquanto esperávamos que fossem para o mar na hora de realizar uma de suas cinco orações diárias.

Com o passar dos dias, eles começaram a compartilhar suas experiências e histórias pessoais também. Eles nos deram suas almas sem limite. Aprendemos em primeira mão pelo menos alguns dos terríveis problemas e dores que eles enfrentaram sendo apenas adolescentes para chegar a uma terra onde à primeira vista são estrangeiros. E sentimos a amargura de uma injustiça com nome e rosto que nos deixou sem palavras por alguns minutos.



Nos sentimos tão pequenos. Tão miserável em nossa vaidade. Eu sei ignorante. Tão inconsistente porque muitas vezes não questionamos nossos privilégios.

E, ao mesmo tempo, muito grata por aquela foto carinhosa da realidade, pela presença segura dos meninos ali conosco, e pela amizade desses campeões.


A triste realidade do êxodo africano continua. Eles são seus amigos e suas famílias. Mas também irmãos e irmãs de todos nós. E para eles também continua o desafio de se integrar a uma nova cultura, em uma sociedade muito heterogênea que tem pessoas que deixam suas vidas para acompanhá-los, mas também pessoas que ainda os veem com desconfiança e rejeição.


Para nós, estas três semanas foram dias verdadeiramente lindos. Essa fantasia inicial de trabalho árduo e extenuante rapidamente se desfez e praticamente acabou sendo férias com amigos. E antes de partir, os rapazes também nos disseram que estavam muito felizes por terem novos amigos e por se sentirem mais acompanhados. É também uma experiência de aprendizagem para eles.


Por isso, nesta linha, queremos ajudar a tornar visível esta ferida da humanidade de hoje e também a promover esta maravilhosa oportunidade de encontro que o voluntariado nos oferece.

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page