top of page

BOLÍVIA: UMA JORNADA DE DOAÇÃO, APRENDIZADO E CRESCIMENTO

por Alejandra Zambrano Flores

Há algum tempo participei de um congresso de jovens em que foi apresentado o milONGa e me interessei muito porque estava cursando serviço social, e me pareceu que poderia realizar essa experiência contribuindo com um pouco do que sabia. Demorei muito para começar a trabalhar devido à minha tendência de procrastinar, mas a certa altura entendi que tinha duas opções: fazer esta viagem como desculpa para fugir da minha realidade ou fazê-lo pelos motivos certos, como ajudar aos outros. Isso me deu muita paz para começar a fazer a minha parte. Em muitas ocasiões senti que não conseguiria, mas as coisas foram acontecendo, tive que fazer pequenos sacrifícios como parar de comprar algumas coisas para economizar, mas nunca me faltou nada porque todo tipo de ajuda veio até mim através de vários meios.


Para mim esta viagem significou muitas coisas como acreditar mais em mim, trabalhar para um objetivo, ser mais independente, confiar nas minhas capacidades, colocar-me à disposição dos outros, abrir-me aos outros, etc.


Antes de partir, alguns amigos próximos da comunidade com quem compartilho os mesmos interesses e estilo de vida organizaram uma despedida surpresa para mim e para outro amigo que estava indo para a Suíça para também fazer uma experiência de doação. Foi um momento muito bom porque nos sentimos acompanhados e também recebemos muitos conselhos de pessoas que tiveram experiências semelhantes ou que moraram na Bolívia. Também recebi muitas manifestações de carinho da minha família e amigos, que me ajudaram muito nos dias que antecederam a viagem para a Bolívia.


Quando cheguei me senti muito menos nervoso do que dias antes, finalmente começando o que tanto queria fazer. Uma voluntária muito simpática recebeu a mim e a Elena em sua casa. Elena é uma menina italiana que também ia fazer voluntariado através da milONGa mas na Casa de los Niños, e embora ela só tenha ido por um mês e meio e tenhamos trabalhado em lugares diferentes, pudemos compartilhar muito.

A Bolívia foi muito acolhedora comigo. Cochabamba é uma cidade muito bonita. Eu percorria a cidade de norte a sul para ir trabalhar, então pude admirar muito, além disso, os bolivianos geralmente são muito calorosos. Algo que me chamou a atenção é a presença da cultura quéchua na cidade (em outras cidades outras etnias como os aimarás são mais numerosas). Em Cochabamba você pode encontrar muitas "cholitas", mulheres indígenas que usam seus trajes tradicionais, me parece que isso torna sua presença visível em todos os espaços e é muito valiosa, dá a sensação de que os indígenas não estão isolados e não estão invisíveis, ou melhor, estão presentes fazendo parte da cidade, mas preservando sua identidade, embora não se deva negligenciar que existem condições de marginalidade.


Gostei muito de trabalhar na UNISOL. Quando cheguei, as atividades estavam sendo organizadas, Abel (outro voluntário) havia chegado em junho e no Centro Rincón de Luz muitas atividades haviam parado por causa da pandemia, então eles tiveram que continuar. Meus companheiros eram respeitosos comigo. Sempre me senti respeitada, livre, valorizada e apoiada porque todos na organização estavam dispostos a fazer a sua parte.


A Bolívia me permitiu viver um processo de crescimento que não foi fácil porque aconteceram várias situações pessoais enquanto eu estava lá, que me deixaram muito triste; no entanto, acho que se tivessem ocorrido enquanto eu estava em casa teriam sido mais difíceis de lidar, sem um espaço onde eu pudesse tomar um tempo para mim.

Aprendi muito. No final da experiência, o Abel partilhou comigo que de todas as viagens que fez, sempre percebeu que o ajudaram a crescer, que confiava que esta experiência me ajudaria a crescer; e é verdade. Aprendi a ser mais independente, a tomar decisões e por vezes a ter iniciativa, o que me fez perceber que sou capaz de fazer mais, dar mais e contribuir mais para os outros.


Ao me despedir, recebi muitos atos de carinho. Por um lado queria voltar para estar com minha família, mas também sabia que quando voltasse, sentiria saudades da Bolívia e de todas as pessoas que conheci. Fiquei satisfeito, pois procurei fazer bem até ao fim das tarefas que me foram confiadas e fiquei muito feliz por ter tido esta oportunidade.


Agradeço a todas as pessoas que trabalham na UNISOL e desejo-lhes o melhor nesta tarefa de contribuir com um grão de areia para o bem da sociedade.


Levo comigo o crescimento que Abel me explicou, os amigos, as experiências, a tarefa de viver fora, o aprendizado, os momentos compartilhados e tanto amor recebido. Essa experiência me ajudou a melhorar algumas coisas em mim e a iniciar outros processos, dando passos para ser mais maduro, confiante e generoso. Além disso fiquei encantada com a Bolívia e posso recomendar a todos que visitem porque é um país muito lindo com um povo muito simpático que vale a pena conhecer. Sou extremamente grata às pessoas que me acolheram e que me permitiram compartilhar um pouco da minha vida.




6 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page