top of page

A experiência das comunidades que recrutam voluntários


Desde que decidiu abrir as portas de sua casa para acomodar os mil voluntários que vêm de todas as partes do mundo para a Casa de los Niños, Rocío compartilhou sua casa, suas rotinas, seus sonhos com 6 jovens da Itália, México e Espanha. Para ela, esta experiência foi um desejo carregado de oportunidades que lhe permitiram “fazer a estrada para o mundo inteiro”

Vamos conversar com ela, que é membro da comunidade que acompanha a Fundação Casa de los Niños na Bolívia, e que decidiu por um tempo que a forma como podia fazer parte da Milonga era pondo seu lugar em comum para que os e as voluntarias que lá chegarão e encontrarão uma casa que os acolhe de braços abertos e os acompanha nesta aventura de serviço.


Por que decidiu abrir as portas de sua casa para receber os voluntários?


Houve muita reflexão sobre a solicitação de meus amigos que trabalhavam e moravam na Casa de los Niños. Gostei logo da ideia porque em algum período da minha vida fui voluntária e estou convencida de que o voluntariado pode transformar a visão que as pessoas têm da vida, da sociedade e de si próprio.


Como é a experiência de aprender e conviver com esses jovens que vêm de tantas culturas diferentes?


Como premissa, digo que estava morando sozinha há mais de 10 anos, para decidir que nesse tempo formei, sem processá-lo, um espaço onde a ordem é minha, a desordem é minha, os ritmos das coisas são meus, etc. Até aquele momento em que levei o primeiro voluntário para casa, estava sempre fazendo do meu jeito.


Nessa perspectiva, voltar a conviver com outras pessoas teve seus pequenos desafios, pois significou deixar de lado coisas que considerava óbvias para abraçar novas formas de fazer as coisas. Não queria que a minha casa fosse um hotel com regras a cumprir, mas sim um espaço onde os voluntários se sentissem temporariamente em casa. E conseguir isso nem sempre foi fácil, mas percebi que as últimas experiências foram mais fáceis. Embora ainda tenha um longo caminho a percorrer, acho que aprendi um pouco a perder ou abrir mão de pequenas coisas todos os dias e com o tempo fica mais fácil.


Tem sido como receber visitas simpáticas em casa, com as suas maneiras de fazer as coisas e as suas diferenças. Digo brincando aos meus amigos que tenho filhas adotivas, porque sinto a responsabilidade de que elas não adoeçam, não se percam, não lhes aconteça nada; É uma necessidade e ao mesmo tempo um dom pela possibilidade de sair de mim e das minhas preocupações para estar atento às necessidades de outras pessoas, que a princípio não conhecem bem a língua ou a cidade. Pode parecer contraditório mas acho que esse é o maior ganho pessoal dessa vez.


Por outro lado, cada voluntário chega com uma nova história, um novo idioma, novas comidas, uma nova cultura, novos amigos, tem sido como dar a volta ao mundo sem sair de casa. Já comi comida italiana, espanhola, mexicana; Aprendi sobre músicas, profissões, festas, tradições e ditados de cada país.


Gosto de comparar essa experiência com o filme UP. Observe que eu sou o velho rabugento e os voluntários são os escoteiros.


Você tem alguma experiência em particular que gostaria de compartilhar conosco?


Uma experiência recente foi cuidar de um menino de dois anos em casa por alguns dias. Na verdade, fiz pouco porque quem cuidou dele foram os voluntários, mas foi ver de perto a realidade das crianças órfãs ou abandonadas; uma realidade que sempre ouvi falar e que achava conhecer um pouco, mas não imaginava as histórias de dor que existem por trás dela e toda a realidade que ela envolve. Por alguns dias me senti a voluntária, e agora que as meninas não estão mais aqui procuro ter contato com essa criança e rezo para que ela encontre um lar logo.


O que essas experiências com voluntários deixaram para sua vida?


Fico com a riqueza das diferenças, que quando um se abre ao outro pode experimentar coisas inesperadas, apesar das dificuldades do dia a dia que podem surgir. Também tenho a satisfação de ter colocado meu grão de areia na experiência desses jovens que deixam tudo por um tempo para doar para uma boa causa. E também saber que embora não possa ser voluntária a tempo inteiro, tenho sempre algo para dar e que é possível viajar, conhecer novos mundos e pessoas sem sair de casa.





11 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page